sábado, 26 de julho de 2014

Calo-me

(...) nem há palavras que não cheguem para não dizer nada.

E vós também: não me faleis de nada ou falai-me.
Porque não sabeis o que dizeis.

De onde Pina me levou, em gesto de regresso saudoso, ao Som e à Fúria, onde se aprende a reconhecer sabedoria numa boca calada. 


Sem comentários:

Enviar um comentário