quarta-feira, 20 de novembro de 2013

ele é o Homem Eterno

 
"(...)Este anonimato da burguesia torna-se ainda mais espesso quando se passa da cultura burguesa propriamente dita às suas formas alargadas, vulgarizadas, utilizadas, àquilo que se poderia chamar a filosofia pública, que alimenta a moral quotidiana, os cerimoniais civis, os ritos profanos, numa palavra, as normas não escritas da vida de relação na sociedade burguesa. É uma ilusão reduzir a cultura dominante ao seu núcleo inventivo: há também uma cultura burguesa de puro consumo. Toda a França mergulha nesta ideologia anónima: a nossa imprensa, o nosso cinema, o nosso teatro, a nossa literatura de uso geral, os nossos cerimoniais, a nossa justiça, a nossa diplomacia, as nossas conversações, o tempo que faz, o crime que se julga, o casamente em que nos comovemos, a cozinha com que se sonha, o vestuário que se traz, tudo, na nossa vida quotidiana, é tributário da representação que a burguesia tem e nos faz ter das relações do homem com o mundo. Estas formas «normalizadas» atraem pouco as atenções, na proporção mesma da sua extensão; a sua origem pode nelas perder-se à vontade; elas gozam de uma posição intermediária: não sendo nem directamente políticas, nem directamente ideológicas, vivem em paz entre a acção dos militares e o contencioso dos intelectuais; mais ou menos por uns e outros, elas ganham a massa enorme do indiferenciado, do insignificante, em resumo, da natureza. É, todavia, através da sua ética que a França é penetrada pela burguesia: praticadas nacionalmente, as normas burguesas são vividas como as leis evidentes de uma ordem natural: quanto mais a classe burguesa propaga as duas representações, mais elas se naturalizam. O facto burguês absorve-se num universo indistinto, cujo único habitante é o Homem Eterno, nem proletário, nem burguês."
 
Roland Barthes, Mitologias, «O mito, hoje», de Setembro de 1956.

Sem comentários:

Enviar um comentário