quinta-feira, 28 de novembro de 2013

le désir de jouer

En général je choisis des acteurs pour qui jouer est une passion fondamentale, un choix. Qui s'interrogent sur leur désir de jouer.
[Et le masque...]
C'est plus général, c'est le masque que porte chacun dans la vie.

Abdellatif Kechiche, Cahiers du Cinéma, Octobre 2013, nº 693.

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

ele é o Homem Eterno

 
"(...)Este anonimato da burguesia torna-se ainda mais espesso quando se passa da cultura burguesa propriamente dita às suas formas alargadas, vulgarizadas, utilizadas, àquilo que se poderia chamar a filosofia pública, que alimenta a moral quotidiana, os cerimoniais civis, os ritos profanos, numa palavra, as normas não escritas da vida de relação na sociedade burguesa. É uma ilusão reduzir a cultura dominante ao seu núcleo inventivo: há também uma cultura burguesa de puro consumo. Toda a França mergulha nesta ideologia anónima: a nossa imprensa, o nosso cinema, o nosso teatro, a nossa literatura de uso geral, os nossos cerimoniais, a nossa justiça, a nossa diplomacia, as nossas conversações, o tempo que faz, o crime que se julga, o casamente em que nos comovemos, a cozinha com que se sonha, o vestuário que se traz, tudo, na nossa vida quotidiana, é tributário da representação que a burguesia tem e nos faz ter das relações do homem com o mundo. Estas formas «normalizadas» atraem pouco as atenções, na proporção mesma da sua extensão; a sua origem pode nelas perder-se à vontade; elas gozam de uma posição intermediária: não sendo nem directamente políticas, nem directamente ideológicas, vivem em paz entre a acção dos militares e o contencioso dos intelectuais; mais ou menos por uns e outros, elas ganham a massa enorme do indiferenciado, do insignificante, em resumo, da natureza. É, todavia, através da sua ética que a França é penetrada pela burguesia: praticadas nacionalmente, as normas burguesas são vividas como as leis evidentes de uma ordem natural: quanto mais a classe burguesa propaga as duas representações, mais elas se naturalizam. O facto burguês absorve-se num universo indistinto, cujo único habitante é o Homem Eterno, nem proletário, nem burguês."
 
Roland Barthes, Mitologias, «O mito, hoje», de Setembro de 1956.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

ao que ele responde: e com a vida?

São 3:41h da manhã e dou por mim a pensar na Monica Vitti, linda de tirar o fôlego, a dizer algo como "what do people expect me to do with my eyes?". E, certamente, não é assim que se consegue adormecer.

And here's a man still working for your smile

 


I tried to leave you, I don't deny
I closed the book on us, at least a hundred times.
I'd wake up every morning by your side.

The years go by, you lose your pride.
The baby's crying, so you do not go outside,
and all your work it's right before your eyes.

Goodnight, my darling, I hope you're satisfied,
the bed is kind of narrow, but my arms are open wide.
And here's a man still working for your smile.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Desenganemo-nos da esperança, porque trai, do amor, porque cansa, da vida, porque farta e não sacia, e até da morte, porque traz mais do que se quer e menos do que se espera.
 
Fernando Pessoa, Livro do Desassossego, p.73.