quarta-feira, 30 de outubro de 2013

da sociedade dos símbolos abstractos

"(...)Frente a tanta miséria, esta arte, se quer continuar a ser um luxo, terá que aceitar, no dia de hoje, ser também uma mentira.
De facto, de que poderia ela falar? Se se conforma com o que a nossa sociedade, na sua maioria, pede, será divertimento sem alcance. Se cegamente a rejeita, se o artista decide isolar-se no seu sonho, não exprimirá mais do que uma recusa. Teremos, assim, uma produção, ou de graciosos ou de gramáticos da forma, o que, em ambos os casos, dará em resultado uma arte divorciada da realidade viva. Desde há mais ou menos um século que vivemos numa sociedade que nem sequer é a sociedade do dinheiro (a prata ou o oiro podem suscitar paixões carnais), mas a dos símbolos abstractos do dinheiro. A sociedade dos negociantes pode definir-se como uma sociedade na qual as coisas desaparecem em proveito dos signos. Quando uma classe dirigente avalia as suas riquezas, já não pelo hectare de terra nem pelo lingote de oiro mas pelo número de cifras que idealmente correspondem a um certo número de operações de câmbio, dedica-se ao mesmo tempo a pôr uma certa espécie de mistificação como centro da sua experiencia e do seu universo. Uma sociedade fundada nos signos é, na sua essência, uma sociedade artificial em que a realidade carnal do homem se acha mistificada. Ninguém então se admirará de que essa sociedade tenha escolhido, para dela fazer a sua religião, uma moral de princípios formais, e de que grave as palavras liberdade e igualdade tanto nas suas prisões como nos seus templos financeiros. Entretanto, não é impunemente que se prostituem as palavras. O valor hoje mais caluniado é certamente o valor da liberdade. Bons espíritos (sempre pensei que havia duas espécies de inteligência, a inteligência inteligente e a inteligência estúpida) fazem doutrina de ela não ser senão um obstáculo ao verdadeiro progresso. Mas se disparates tão solenes puderam ser proferidos foi porque, durante cem anos, a sociedade negociante fez da liberdade um uso exclusivo e unilateral, considerou-a mais como um direito do que como um dever e não receou pôr, tão frequentemente quanto pôde, uma liberdade de princípio ao serviço de uma opressão de facto. Por conseguinte, que há de surpreendente se essa sociedade não pediu à arte que fosse um instrumento de libertação mas um exercício sem grandes consequências e um simples divertimento?(...)"
 
 
Albert Camus no seu discurso na Conferência «O Artista e O Seu Tempo», na Universidade de Upsala, em 1957.

Sem comentários:

Enviar um comentário